sexta-feira, novembro 10, 2006

O Mosteiro e a Câmara

Ainda ontem lancei uma breve alusão ao arrefecimento das anteriores profícuas relações entre autarquia e mosteiro e, horas depois, pego o Região de Cister e sou confrontado com as declarações do líder da concelhia do PSD a rotular a gestão do mosteiro em tom duro. “Falta de capacidade” foram essas as palavras proferidas em relação à direcção de Rui Rasquilho.
No mesmo jornal vem um artigo sobre o mesmo tema, tipicamente de quem já o tinha guardado e estava à espera da primeira oportunidade para o lançar. O engenheiro Raul Duarte tem uma forma no mínimo peculiar de colocar as questões, mas neste caso foi mesmo mais papista que o Papa. O PSD entre vários defeitos tem qualidades que os distinguem de outros partidos. A forma como funciona e mobiliza é particularmente eficaz. As ideias vão amadurecendo internamente até que, quando se torna necessário, surge a guarda-suíça pronta a defender a causa. Não há crítica nestas palavras, trata-se de uma curiosidade paralela.
A questão fulcral e a qual grande parte de nós percebemos à muito tempo é essencialmente política, mas de política local. O PSD vê em Rui Rasquilho um potencial candidato do Partido Socialista e analisa a sua prestação nesse prisma. Para além do mais a ausência de capacidade de desenvolvimento da cidade torna-a muito dependente da prestação do Mosteiro na captação de investimento, principalmente turístico. A verdade é que se o Mosteiro não teve capacidade para captar investimentos nas áreas turístico-culturais a Câmara também não!
A reacção de Rui Rasquilho foi servida com a panache que o director do mosteiro cultiva. Uma resposta diplomática, meios que bem conhece, de quem ainda não quer colocar todo o jogo na mesa. Aí está o erro da estratégia do PSD… o timing foi mau e tentou travar a onda de mediatismo do actual director.
Pessoalmente e sem querer pensar pela cabeça de Rui Rasquilho existem alguns sinais que desvendam uma eventual ambição de conquista da autarquia. O apoio à causa perdida Daniel Adrião, a própria estratégia mediática tanto serve o mosteiro como poderia servir essa, são sinais que demonstram duas coisas: fortalecimento dos laços com o PS local num momento difícil e popularidade e reconhecimento pela população.
Tudo isto são conjecturas, mas é assim que a política funciona e por isso não é necessariamente negativa, desde que o interesse público não seja colocado em causa.
Se Rui Rasquilho tiver uma estratégia ou ambição para chegar à câmara ninguém o deve censurar por isso, principalmente se até lá fizer um trabalho excelente no mosteiro!
Quanto ao PSD… é preciso ter calma e aguardar por desenvolvimentos da oposição para definir estratégia da sucessão… ou não! A reacção de Paulo Inácio já cheira a pré-candidato…
Claro que tudo isto são conjecturas!

10 comentários:

lucia duarte disse...

ora viva, acho que é a primeira vez que escrevo neste blog, mas, desta vez, não posso deixar de o fazer.
tenho sido muito critica em relação ao modo como o mosteiro tem sido subaproveitado. agora, finalmente, aparece alguém para dinamizar uma das maiores potencias turisticas e culturais do concelho e tal sucede pela mão do Dr Rui rasquilho!
não me interessa nada se ele pertence ou não ao Ps, o que me interessa é o trabalho que ele está a desenvolver nestas áreas.
se o psd está a temer este homem é porque lhe dará valor e perdoem-me, mas terão de arranjar alguém que lhe faça frente se quiserem ganhar as próximas eleições. com o actual quadro de personagens (e o termo foi propositado) não vão lá! precisamos de pessoas com iniciativa, boas ideias e que não estejam presos a intenções de valorização pessoal.
ou aparecem pessoas com estas caracteristicas para combater (politicamente) o dr Rasquilho, ou conformem-se e deixem o homem lutar pelo nosso concelho esquecendo bandeiras e faccio"sismos".

José Alberto Vasco disse...

Discordo do Miguel e da Lúcia. Penso e defendo que este não é um problema partidário nem pessoal. Embora seja um problema essencialmente político e cultural. O que está particularmente em causa é alcançar resultados visíveis nas quaestões fundamentais. Que neste âmbito têm a ver com o Museu de Alcobaça (cuja resolução está mesmo muito longe de transformar o Mosteiro numa "loja de amigos")e com a Casa-Museu Vieira Natividade (em que não basta fazer obras de fachada). Continuo apenas a ver fazer festas e deitar foguetes, o que, muito sinceramente, não chega...

capeladodesterro disse...

Não percebo a discórdia José Alberto!! Não cheguei a esse nível de discussão... estava a fazer uma análise às movimentações políticas! Só a isso... a parte técnica (sobre o Mosteiro) que mencionou e sobre a qual também tenho algumas ideias que irei colocar na "locosfera". Brevemente!

O ÚLTIMO MONGE disse...

Meus caros:
Era previsível que o sr Sapinho atiçasse o Bobi e o Tareco contra o sr Rasquinho quando a sombra deste lhe chegasse perto.
Lembram-se dos milhares de contos que o PSD investiu na promoção, a nível local e nacional,da imagem "carnavalesca" do sr Adrião?. Sapinho escaldado de director mascarado tem medo.

capeladodesterro disse...

Rasquilho.

capeladodesterro disse...

Resta saber quais serão as movimentações no PS Alcobaça... especialmente a reacção dos proto-candidatos que ainda tentaram aparecer para salvar o desastre que se anunciava nas últimas eleições. Seja quem for o candidato ele já deveria existir e estar a trabalhar. Como é que se constrói uma alternativa política 3 meses antes?
Não tenho dúvidas que se existisse uma oposição forte até para o Dr. Sapinho seria melhor!

capeladodesterro disse...

Já agora... Seja Bem-Vinda Lúcia!

Anónimo disse...

Realmente não li o que o Eng Raul Duarte disse sobre o Dr Rasquilho mas a avaliar pelo comentário calculo que não passa de um latido de uma personagm patética que não serve os interesses de Alcobaça.

Ninguém tem nos partidos em Alcobaça incluindo o Sapinho, curriculum que se possa equiparar ao Dr. Rui Rasquilho, nem de perto nem de longe, todos não passam de oportunistas á espera de qualquer coisa.

Não sei se o Dr. Rui Rasquilho se quer candidatar ou não, se o vão deixar ou não, mas o que posso é dizer é que todos os Bobis das politicas de Alcobaça juntos não lhe chegam aos tornozelos.

Tenham mas é vergonha, deveriam era criticar as directoras do Mosteiro que precederam o Dr. Rasquilho, essas sim pensavam que estavam casadas com o MOsteiro.
Nada disseram, nada escreveram e agora que se está a fazer um bom trabalho é que criticam, mas que falta de vergonha!!!!!

Mas não deixa de ser engraçado quando os Bobis a mando de outros bobis sem coragem, já estão em campo a tentar denegrir alguém válido que eles sabem que o é, mas que não interessa para eles, pois assim o tacho pode estar em perigo.

É bom sinal quando assim acontece se dizem mal do DR. Rasquilho É PORQUE ELE É BOM e está a fazer aquilo que outros nunca seriam capazes de fazer.

Alcobaça nunca pode ir muito longe com gente desta. É pena

C. Casimiro de Almeida disse...

Citando Capela do Desterro, transcrevo:

... «previstos outros artigos muitos relevantes. Destaco o de Vasco Mantas relativo à rede viária romana na região. Acredito que poderá trazer algumas surpresas.»

Ob.
1 - Para quem tem uma ideia aproximada da margem Leste da antiga Lagoa de Alfeizerão-Pederneira, não haverá surpresa;
2 - Uma via romana que ligasse Eburobritium a Colipo passaria inevitavelmente por Parreitas!
3 - Antes passava ligeiramente a Leste de Alfeizerão (no sítio das Ramalheiras há memórias visual e escrita de vestígios romanos) e seguia mais ou menos paralela a essa margem da Lagoa;
4 - Dificuldade a resolver: seguia o sopé dos montes (eventuais vestígios estarão então debaixo da A8 ou proximidades) ou, a partir da Pousada, flectiria para a direita?
5 - A primeira hipótese parece-me mais provável;
5.1- pela facilidade de construção;
5.2- pelo achado de uma moeda de Trajano, logo ligeiramente posterior à construção da via.

C. Casimiro de Almeida disse...

Correcção:
No meu texto anterior, onde está «ligeiramente posterior à construção da via», deve ver-se: ligeiramente anterior à construção da via.