sexta-feira, maio 19, 2006

E dura, dura...

Gonçalo Byrne continua em grande forma depois do sucesso da requalificação da envolvente do nosso Mosteiro, agora estalou a polémica com o seu projecto para o Largo Barão Quintela. Byrne volta a fazer um projecto ao seu estilo... Num jardim romântico oferecido à cidade por uma dos seus mais ilustres habitantes da cidade de Lisboa do séc. XIX, Byrne vai deslocar a estátua de Eça de Queiroz, fazer uma praça à semelhança da nossa D. Afonso Henriques e colocar um parque subterrâneo a 50 m do actual parque do Camões. Um local com uma mística tão especial irá ser desmembrado ao gosto de um executivo autárquico e de um "arquitecto de renome". Mas as espantosas semelhanças com Alcobaça não terminam aqui, há ainda a posição do IPPAR. Depois deste organismo ter emitido sucessivos pareceres contra anteriores projectos, qual foi a alternativa do promotor para garantir aprovação? Chamar um arquitecto de renome... Gonçalo Byrne, pois claro. Feito um novo projecto aprovação garantida!! Apetece-me dizer que é surreal, mas é a nossa realidade, aquela que vivemos todos os dias.
Mais uma vez, um coro de anónimos, ao qual aderi em texto neste blog e imprensa local no auge da polémica do Rossio de Alcobaça, e uma colectânea de académicos são desvalorizados por um executivo eleito e por um arquitecto escolhido... e mais não digo. Entre as pessoas que se manifestaram constam Raquel Henriques da Silva ou Vítor Serrão, mas esses são historiadores, não políticos. No entanto, pode haver uma centelha de esperança, pois ao que parece Paula Teixeira da Cruz, está contra esta posição do seu executivo, que segue um erro que vem de 2003. Lá vamos nós ouvir a desculpa dos "direitos adquiridos" novamente...
Mas as polémicas Byrnescas continuam. Santana Lopes quando chegou à Câmara Municipal de Lisboa uma das primeiras coisas que fez foi chamar um "arquitecto de renome" para um projecto para a área da Ajuda e seu Palácio. Quem foi o técnico de renome? Gonçalo Byrne. Uma das vertentes desse mesmo projecto é construir aquilo que nunca foi construído no palácio... uma ala inteira. Num país que se acotovela para arranjar fundos para recuperar património histórico-cultural em ruínas, que megalomania é esta de ir terminar um monumento que não foi concluído precisamente porque não haveria dinheiro?! O que virá a seguir? As Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha, as torres sineiras do Santuário Senhor Jesus da Pedra em Óbidos??
Quando é que Portugal assume a sua dimensão e condição como uma vantagem e não com o complexo de inferioridade que faz da megalomania a única alternativa?

4 comentários:

Anónimo disse...

Pois fazer de um jardim um deserto é coisa muito simples nem sequer será preciso grande imaginação, agora de um deserto fazer um jardim, a coisa pia mais fino!!.
Pois meu caro para fazer o que está feito nem arquitecto seria preciso, um tipo qualquer com alguma cultura de arte e bom gosto faria certamente melhor. O Arq Ferro faria de certeza melhor, mesmo em ressaca profunda.

O Rossio está pobre, e mais pobre ficou Alcobaça não só pela pipa de massa que o Birne sacou, mas pela imagem de nudez e pobreza que o rossio irradia.
Temos um povo pacato e estupido que até pensa que aquilo é uma grande obra.
Quanto ao Birne ganhar progectos no IPAR !!, bem se calhar, não é tão forreta como os outros e assim a rapaziada do IPAR também come á mangedoura com ele, já lá estive e vi bem como é que a coisa funcionava, há muito dinheiro por fora, disso não tenho dúvidas nenhumas .
Quanto ao "executivo eleito" lá eleito foi, agora ser executivo!!!isso não. O titulo não encaixa.

Meu caro o tipo simplesmente não presta.

Foi um prazer

capeladodesterro disse...

Os espaços de comentário neste blog são livres e como tal cada um escreve o que entende, no entanto peço-vos que se abstenham de considerações demasiado particulares. Discuta-se a obra ou a falta dela, sem referir ou imaginar a vida particular de cada um.
Discordando de algum do trabalho do Arq Ferro não gostaria que a discussão enveredasse por outros vectores que não sejam esses: a obra.
Participem sempre

MB disse...

O que eu aprecio nos Alcobacenses e não só é que se alguém pensa diferente ou tem gostos diferentes é estúpido e ignorante. Temos todos de pensar igual, estar contra o que é para ser contra só para não sermos inferiores aos que se julgam portadores da razão.
O Rossio pode não ser bonito para uns mas é-o para outros e não os devemos julgar. Devemos dar a nossa opinião e exprimir os nossos pensamentos sem nunca querermos inferiorizar as vozes discordantes.
Se não fosse o Byrne era o Manuel, se não fosse este era o Ferro... Enfim! Seria impossível agradar a gregos e a troianos.

LD disse...

Bom Miguel, parece que muito boa gente não sabe reconhecer que a “coisa” correu mal…é mais um, contributo para o PIB zero ou seja constrói, retira e volta a construir ou seja mais uma obra a dar prejuízo ou a Câmara a pagar a factura? Seja como for isto ate parece sina, tudo corre mal em Alcobaça! A VCI o empreiteiro faliu a obra fica a meio, o Rossio e as experiências dão mau resultado enfim, que sina a nossa!!??
Mas já agora será sina ou será INCONPETENCIA???
Pois é todas estas situações tinham de ter consequências politicas, as mesmas pessoas nos mesmos gabinetes há anos a fio, não pode ser, tem que haver rotatividade!
A máquina obsoleta da autarquia tem de se reformar estas situações pelo menos deveriam ter mostrado esse caminho.
Mas devo dizer-te que o que mais me espanta é a passividade de quase todos os que aqui moram, todos criticam em “conversas de café” mas ninguém está para se chatear, para perder tempo assim já começo a achar que a maior parte das da população tem aquilo que merece e outros “nós” por aqui andam.